domingo, 25 de maio de 2008

Curtindo a vida adoidado Parte1


Bem meus caros irmãos e irmãs, estou aqui para relatar um fato verídico que aconteceu em minha vida há anos. Estava decidido, era o dia que eu mataria o dia de aula. Na noite anterior eu separei todas as minhas provisões para passar a manhã, estava totalmente inspirado pelo personagem Ferris do filme "Curtindo a vida adoidado", quem nunca assistiu esse filme, provavelmente não é deste planeta. Conta a estória de um cara que junto com a sua namorada e um amigo matam a aula para passar o dia zoando a cidade até dar o horário e etc...
Claro que minha vida tinha uma certa diferencia com o protagonista do filme. Para começar, não tinha namorada, não tinha nenhum amigo animado de matar aula pra passar a manhã jogando vídeo game em algum fliperama (não vou omitir, sim! esse era meu objetivo!), e muito menos esse amigo com problemas esquizofrênicas ( no filme o cara era meio louco sim) tinha um pai que possuía uma Ferrari em sua casa para pegar "emprestado".
Mas isso não atrapalhou minha convicção, em meu quarto tirei todos aqueles livros escolares e coloquei uma camiseta comum em minha mochila, quando estivesse na rua tiraria a camisa do uniforme e colocaria a camiseta.Fiz isso para o juizado de menores, que rondava direto os fliperamas, não me pegasse. Um amigo foi pego nesta aventura, estava ele concentrado na maquina, lutando contra o Bison quase zerando o jogo quando apareceu o juizado no fliperama, como ele estava de uniforme foi direto nele e o pegou pelo pescoço, logo perguntaram de seus pais e todos foram para delegacia.
Pobre Diogo, sucumbiu em sua honrada cruzada rumo a liberdade, seus pais o trancafiaram no quarto e mandou fazer penitência lavando o banheiro de casa e teve que arrumar o seu quarto(nem precisa dizer o estado que o quarto dele estava!)
Para mim a pena seria bem mais severa concerteza, mau conseguia imaginar oque seria, mas seria algo cheio de dor e torturas além da imaginação em minha cabeça de 12 anos.
Peguei minhas economias (não era muito dava pra comprar umas 5 fichas no máximo), contando com o dinheiro do lanche, mas a grana do lanche era para lanche, deixar de lanchar para jogar vídeo game era o cúmulo do vício mesmo para mim. Deitei e dormir profundamente. Na manhã seguinte me preparei ritualisticamente e sai de casa com a mochila nas costas, estava cantarolando e feliz, seria o dia que provaria a mim mesmo que podia ser "O Cara", imaginava chegar na sala noutro dia e falar para os meus colegas a minha façanha e eles todos constrangidos e invejosos me admirariam. O problema que o trajeto para o fliperama era o mesmo do colégio.
Na porta havia a porteira que chamávamos carinhosamente de "O Vigia", nada passava despercebido nos olhos de Maria Helena no raio de 500 metros, principalmente de alunos engraçadinhos que procurassem matar aula ou tentar fugir do colégio (Nota: soube que ela aposentou há poucos anos, em tempos mais recentes, o apelido dela mudou para "Sauron" ou o "Olho que tudo vê").
Aguardem a continuação desta épica estória!!!

5 comentários:

Reverendo FerAuZ disse...

Nostalgia em meu kamarada!!!
gwahahahahahahaha

Bom ter vc ajudando por aki de novo.
Aguardando o resto da historia.
Será q o Reverendo aparece nessa historia?!?!
Não percam nos proximos capitulos!!!

Carol Wolff disse...

Hallo! Tudo bom??

Hahahah muito bom seu texto (e quero ver a continuação da história hein).
Quando eu ainda estava na escola (ensino fundamental)matei aula uma vez na vida e fui pega ¬¬²''' mas tudo bem... valeu a tentativa ^^'
E olha que nem sequer tinha um olho que tudo vê (Sauron), bom, pel menos o "Sauron" da sua escola não era maligno heheh.

Küsse!

Felipe Attie disse...

A continuação dessa história está igual ao Chinese Democracy.

Felipe Attie disse...

Estou curioso. Bom texto. Até...

Reverendo FerAuZ disse...

Pois e seu missionario lesado!!!
Eu devia deletar esse seu post que morreu na metade...
Mas vou deixar, o blog esta paralizado msm e eu conheço o fim da historia.

Gwahahahaha